Pare, eu confesso!

Apesar de latir, não mordo
como o Cachorro-Louco.
Não me bote na coleira.
Sou uma inofensiva poetisa.
Por favor, não me transforme em pedreira.

Pare, eu confesso!
Apesar do carma dos olhos azuis,
não sou Helena Kolody,
aquela professorinha querida,
que tanto amou a poesia
que não conseguiu amar mais ninguém.

Pare, eu confesso!
Sou só uma indefesa mortal,
condenada a sofrer de prisão de versos,
urticária na alma e incontinência verbal.

Sou portadora desde nascença
de uma doença literária crônica,
um distúrbio compulsivo obsessivo poético
causado por uma discrepância lingüística
que inflama a verve, queima o peito,
estufa o ego, altera a hipérbole
e enche o sacro santo dos amigos.

E não sou a única, Meritíssimo.
Aqui mesmo, nesse extato momento
existem vários sujeitos ocultos que
se provocados,
cometerão eufemismos coletivos,
cuspirão metonímias
e se esvairão em hemorragias
de metáforas implícitas.

E ao contrário do que dizem os críticos, Meritíssimo,
a farmacologia ainda não inventou uma antítese eficaz,
capaz de combater essa catacrese catastrófica.

Todos dias, desde que existe o homem,
aparece uma criança, um adolescente normal,
um pai ou mãe de família tradicional,
que de repente se depara com uma noite enluarada
e começar a fazer frases rimadas com nua, sua, rua
e a sentir-se como se fosse
o primeiro homem a pisar na lua.

Não condene os artistas, senhor Juíz!
Imagine que triste
um mundo sem poesia, sem magia,
sem música, sem atores, sem pintores,
sem enfeites, sem deleite, sem alegria…
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...