Causus poéticos

de Daniel Faria
para mana Marilda

Daniel e eu, conversando com JK

Seria preciso que um poeta, desses que andam na contramão do tempo, saudasse a tua história.

História construída com sangue italiano, suor, 
solidão e muitas cervejas.
Menina campeira correndo solta pelos alagados
e campos destas terras brasileiras.
Correndo atrás de boi, de vaca, de bicho, de cerca.
Correndo atrás da vida.
Amargavida.
Duravida de moça dos interiores sulistas.
De repente a Capital. A cidade louca cheia de sons, desafios, perigos...
Que medo!
A moça para no sinal vermelho.
A cidade assusta, embaralha, desordena a visão.
Ela não sabe ainda que outra visão se anuncia.
A moça pressente as palavras. 
Mas não são as palavras.
São as PALAVRAS.
Alguma coisa lhe diz, na metamorfose do tempo, 
que outro tempo existe.
Tempo de absoluta poesia.
E a moça escuta a voz de poeta, que lá dentro já se fazia.
Uma voz que grita, berra, uiva, acaricia.
Voz antiga que  a moça sem sabia.
E a cidade agora aparece inteira 
com seus Largos e desordenados caminhos.
Sacra, profana, felizinfeliz, cinzenta e azul, verde e vício, 
templo e perdição.


Abraços do arteiro - Menestrel Daniel Faria

Daniel Faria...  como definir esse professor, poeta, músico, arteiro e amigo? Como resumir tudo o que já fizemos, vivemos, cantamos, poetizamos, trabalhamos, rimos, xingamos? Não dá, cumpade... num dá.  Nossa história tá por aí, nas bibliotecas da cidade, nas lembrança das pessoas, em nós. Valeu, mano véio!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...