Conversa com um velho rio

Toda vez que passo na frente daquele riozinho ele me diz:
- Passeando dona louca?
Jogo uma pedra nele e continuo minha caminhada. Ele se enfia debaixo de uma pinguela e me provoca novamente:
- Ô dona doida, ainda não parou de falar com as coisas?
Nem tenho tempo de responder e ele já entra numa enorme manilha e se esconde outra vez. Uma pedrinha curiosa se solta da mão da mãe e rola até meus pés para brincar. A grande rocha, silenciosa, apenas observa. Somos velhas amigas. Cúmplices dos tempos.Um bando de garças adolescentes  faz cocô na minha cabeça. Os bem-te-vis caem na gargalhada. 
Um ipê amarelo, me chama de careca. Pode deixar... Eu me vingo na próxima estação...
Cumprimento uma velha roseira. Ela nem me dá bola. Sempre esqueço que as rosas não falam.

Aqui era puro mato!
Agora não passa de um canteiro urbano.
Asfaltaram as trilhas, arrancaram árvores,  represaram o rio. 
Por isso ele ficou sujo e malcriado desse jeito. ntes, corríamos livres e conhecíamos cada pé de amora que morava aqui. O pé de chorão e eu ficávamos horas debruçados sobre o rio ouvindo suas histórias de águas passadas. Ele me chama de doida, mas quem perdeu o rumo foi ele.
Fizeram o pobrezinho engolir desaforo, desviaram seu curso,
Obrigando-o a andar escondido nas galerias subterrâneas da cidade, como se fosse um...  um marginal.
Represado, teve que se fingir de morto, de surdo, de mudo, de bobo...  
Ah... como se eu não te conhecesse de outros tempos, meu velho rio Belém... 
 
- Vá tomar banho, sua doida varrida!
Não posso mais tomar banho contigo, querido. É proibido! Não posso nem ficar aqui sentada te olhando.
É perigoso, sabe? Você ficou perigoso, venenoso, poluído..E se me pegam falando com você, me internam num manicômio. 

Ele me chama de doida que fala com as coisas,  mas doidos mesmo, são aqueles que pararam de ouvir as coisas.Os que calaram a gralha azul, cortaram nossas araucárias e plantaram pinus, pra dar luz elétrica em vez de  pinhão.
Insanos mesmo, são aqueles que nos entupiram de lixo, esgoto, veneno, taparam nossa boca com pixe e nos condenaram a esse... esse barulho ensurdecedor.
publicado no livro Busca e apreensão

O Rio Belém é um rio genuinamente curitibano e sua extensão é de 21 km. A nascente e a foz estão dentro de Curitiba. O rio nasce no bairro da Cachoeira e deságua nas cavas do Rio Iguaçu, no Boqueirão. Sua Bacia Hidrográfica abrange 35 bairros.
O Rio Belém passou por vários processos antrópicos que alteraram sua fisiografia, bem como sua hidrodinâmica. Na década de 1930 teve sua extensão retificada, onde um trecho do rio com 17,8 km passou a ter 7,2 km, no centro da cidade, área intensamente urbanizada, foi canalizado para dar espaço as construções. Teve suas margens devastadas e ocupadas irregularmente e lançamentos de esgoto são encontrados com freqüência por todo seu comprimento.
É o rio mais poluído da cidade. 
Já existem projetos para a revitalização do rio. Foi foi criado recentemente o Parque Nascente do Rio Belém, com mais de quarenta mil metros quadrados para preservar a natureza. Existem várias campanhas de despoluição do rio e demonstrações de carinho da comunidade como o "abraço ao rio belém" realizado anualmente cuja foto encerra este texto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...