Morreu em Brasília, no dia 26/07, o escritor curitibano Yves Hublet.


Yves estava morando na Bélgica e aos 72 anos pretendia casar-se novamente por lá. Veio ao Brasil em maio deste ano para resolver algumas pendências documentais do seu divórcio com uma escritora de Brasília e deixar na casa do escritor e amigo em comum Airo Zamoner, o original do seu novo livro "Belle Fleur, uma abelinha gulosa".

Yves era muito conhecido no meio educacional como autor de livros infantis adotados em várias escolas brasileiras. No Paraná, a trilogia ecológica composta pelos livros Artes & Manhas do Mico-leão, A Grande Guerra de Dona Baleia e Planeta Água foram adotados nas escolas do grupo Positivio, Dom Bosco e Colégio Marista, além de pertencer ao acervo das várias bibliotecas públicas municipais e estaduais.

Foi um dos primeiros brasileiros a se preocupar com animais deficientes. Fabricava sob encomenda, delicados acessórios e carrinhos de madeira para que os donos pudessem passear com seus animaizinhos defeituosos ou com imobilidade temporária.
Mas o que o tornou nacionalmente conhecido, não foram seus livros, sua preocupação ecológica e nem sua aparência de Papai Noel bonachão. Yves virou herói nacional por ter feito o que muita gente gostaria de fazer em 2005: Deu umas begaladas ao vivo e a cores na cabeça do então deputado José Dirceu, acusado de envolvimento no escândalo do mensalão.


Incorporado pelo espírito quixotesco, a cada bengalada, Yves gritava Fristão! Fristão! Fristão! – como um recado ao povo Brasileiro.
Fristão é um mago inimigo, um feiticeiro manipulador, um ladrão citado por Miguel de Cervantes na obra Dom Quixote de La Mancha.  

Conforme publicado no site Brasil Cultura, a morte do nosso amigo Yves, ocorreu em circunstâncias estranhas. (...) “Ao descer do avião foi preso em Brasília e ficou incomunicável.”  “(...)No presídio teria adoecido e foi hospitalizado, sob escolta.” (http://www.brasilcultura.com.br/literatura/morre-o-escritor-yves-hublet/)
Ler biografia resumida do escritor 
CAFÉ, LEITE QUENTE & POESIA
PROGRAMAÇÃO SEGUNDO SEMESTRE/2010
eu estarei lendo no dia 04/09


Maria e José


(Da série: “histórias secretas de amigos e inimigos” – por Marilda Confortin, com a co-autoria e cumplicidade das personagens)

- Oi. Você é São Caetano?
- Não. Sou Santa Maria e você?
- Atlético. Vai me dizer que você é Coxa Branca?
- Sou. Bem branquinha.
- Ah! Que merda. Então porque está com essa blusa azul-são-caetano?
- Não é azul-são-caetano. É verde-coxa, homem.
- Como teus olhos.... verdes e profundos como o mar.
- Não são verdes! São azuis. Você é daltônico?
- Não. Eu sou José. E você é...?
- Já falei, sou  Maria.
- Maria e José. Que romântico... To a fim de fazer uma arte contigo hoje, Maria. Você faz arte?
- Eu faço poesia, serve?
- Não era bem isso que eu tava pensando... sou engenheiro, não entendo nada de abstrato. Só de concreto.
- E eu sou poeta e não entendo nada de cantadas. 
- É...já vi. Pra quem você torce na primeira divisão?
- Torço pro resultado ser exato. De preferência igual a zero. Tenho pena do resto da divisão. Ninguém liga pro resto da divisão. Ninguém compreende uma dízima periódica... Não gosto de divisão nem subtração. Só de soma e multiplicação. 
- Eu to falando de futebol, sua loira burra!  Do campeonato paranaense. To falando de bola desenhando uma parábola no ar e procurando um par de pernas pra entrar. Gooool.
- Ah... Eu não entendo nada de futebol e a única parábola que conheço é a do filho pródigo. Porque raios você me abordou?
- Pra me livrar do cara chato que tava sentado aí do meu lado. Ele é um saco.
- Humm...  e precisava ser salvo pelo gongo...
- Isso! Por um lindo gongo azul.
- Tinha um gongo no meio do caminho. No meio do caminho tinha um gongo. Conhece esse poema?
- Era um gongo? Por isso nunca entendi esse poema. Pensei que era uma pedra. Você já escreveu alguma poesia?
- Sim. Várias. 
- Sério? E tem algum livro publicado?
- Mais de meia dúzia. Quer um?
- Você é uma escritora famosa? Agora fiquei nervoso. E quando fico nervoso preciso mijar. Não saia daqui! Nunca conheci uma poetisa viva...  Péra aí tá? Deve ser bem interessante... poetisa é? Essa é nova prá mim.
E ele foi mijar.
Bar da Brahma cheio. Minhas amigas na mesa, de mini-saia, pernas bronzeadas, lindas, solteiras loucas pra dar e nenhum cristo cantando elas. Eu, casada, cansada de brigar com o marido, de porre, com uma blusa emprestada, ridiculamente verde e um cara pedindo para eu esperar enquanto ele mijava. Pode?
Só quero ir pra minha caminha. Sozinha. Curar esse pilque...
- Esse cara tem barulho de trem na cabeça. - disse Cinthia, minha amiga.
- Tem mesmo, confirmou Celita - a dona da blusa verde-coxa que eu usava. Barulho de carroça vazia...
Chamei o garçon e pedi uma Skol.
- Não tem Skol aqui. Só Brahma - disse ele.
- Não gosto de Brahma. Me dá uma coca-cola.
O garçom ficou me olhando com aquela cara de ponto de interrogação, apontando pra  placa com o nome do bar e disse:
- Qualé, dona? Não percebeu onde a senhora está ?
- Não entendi. Onde estou?
Ele falou bem baixinho no meu ouvido “a senhora está no bar da Brahma”.
- É? E daí? É proibido beber neste bar? 
Indignado ele disse que só tinha Pepsi.
- Não gosto de Pepsi. Então me dá um guaraná Antártica. Preciso repor glicose.
O cara ficou mais puto ainda, me xingou de burra e não me trouxe nada.
Garçom bobo e mal criado. Eu lá quero saber quem fabrica o quê. Só quero beber, pô.
Foi quando o tal engenheiro voltou.
- Fez xixi? – perguntei.
- Homem não faz xixi. Homem mija, mulher. Mijo sai do pinto, caralho! Nossa senhora, que pernas!
- Pare de olhar pras pernas das minhas amigas, seu tarado!
- Tira os seus peitos do caminho que eu quero passar com a minha dor... lembra dessa música?
- Lembro. Do Nelson Cavaquinho, né? Mas não é peito. É sorriso. Vamos falar de engenharia, que é a tua praia. Eu gosto de teodolito e papel vegetal. E você?
- Teodolito?
- É divino. Nunca comeu? Teo é Deus? Um enorme Deus em forma de pirulito embrulhado numa folha de papel vegetal transparente. Papel vegetal não é a salada preferida dos engenheiros?
- Você é louca ou o quê!
- Sou o "quê".  E você é muito engraçado.
- Tá me chamando de palhaço? Sou engenheiro. E dos bons. Acha que não entendo nada de arte, é? Pois na última palestra, abri a apresentação com uma imagem da Pedra da Gávea para mostrar o que é uma obra prima divina. Sempre passo um pouco de poesia e cultura para essa piazada burra que sai da faculdade.
- Isso é bom. Eu também uso algumas metáforas nos cursos. Falei das Cidades Invisíveis, do Calvino e citei um poema do Leminski na última apresentação de Tecnologias que fiz.
- Eu já ouvi falar desse tal Calvino. E li o Catatau mas não entendi patativa nenhuma. Não gosto desse polaco.
- Eu gosto dele. Até tomei umas vodcas Majakowkj com ele. Era fabricação minha e de um amigo chamado Douglas. 
- Porra... Quem é você? Fabricava e tomava vodca com o Leminski?
- Tomei, e daí?
- Mas ele está morto! Você é fantasma por acaso? Uma alucinação alcólica?
- Calma. Ele estava vivo ainda. E eu estou estou viva também... acho. Se eu morrer amanhã você vai dizer que me conhecia e que eu era uma boa pessoa?  
- Não sei se você é boa. Ainda não te comi. Amanhã te digo. Tenho cara de tio?
- Tem. Por quê?
- Porque não sou mais tio. Hoje eu fiquei avô.
- Sério? Parabéns, vovô!
- Nasceu hoje de tarde. É uma coisinha tão feinha, uma bolinha murcha, enrugada, toda enroladinha...
- Que lindinha!  Você deve estar feliz com a netinha.
- To sim... to muito feliz... Vou ter que sustentar mais uma boca. Eu quero é pegar aquela bolinha de meia, enroladinha em cueiros e fazer embaixadinha com ela no corredor da maternidade e chutar pro gol. Gooooool! Já pensou? Uma bolinha viva saindo pela janela procurando um gol? Uma bola de gente, inteligente cantando "Atlético, Atlético! Conhecemos seu valor e a torcida rubro-negra..."
- Fanático. Pare com isso. É tua neta.
- É neto. Macho! Tem duas bolas. Eu tenho três filhas, uma mulher e uma sogra que mora comigo. Estou cheio de mulher. Não agüento mais mulher na minha vida. Elas não me deixam chutar a bolinha de gente. Dizem que vou quebrar os vidros do berçário.
- Três filhas, mulher, mora com a sogra e agora tem um neto... era só que me faltava. Você disse que era separado...
- E sou. Tô dormindo na sala. Desde ontem.
- Briguinha a toa. Dói um dia e depois passa.
- A única dor que sinto é nas costas. Tem uma mola solta no sofá...
- E você, tem um parafuso solto na cabeça. Por falar nisso, to com sono.
- Eu também. Vamos dormir?
- Vamos.
E fomos dormir. Literalmente. Cada um no sofá de sua própria sala.
O quê você esperava  de uma história de Maria e José que se passou num bar, com dois cinqüentões torrados, frustrados, infelizes, as quatro horas da madrugada em pleno século XXI numa cidade fria como Curitiba? 
Que nesse cruzamento inusitado nascesse um lindo jesuscristinho, que perdoasse todos os nossos pecados, curasse nosso porre e nos devolvesse o paraíso? 
Cai na real, Zé!
E foram infelizes para sempre
.
Origens

O que me faz escrever
é a vontade de recuperar
minhas vontades.

Eu queria que as palavras
pingassem como chuva,
regando as folhas de papel,
ressuscitando a árvore abatida.

Queria devolver-lhe a vida.
Nada escrevi
que valesse sua morte.

Queria que meu pensamento
deslizasse livre como o vento,
sem escolher caminhos
nem pedir permissão
para se expressar.
Desaprender o pensar.

Abrir os olhos
e deixar o sol iluminar meus escuros,
germinar as sementes 
que plantei quando não sabia o que sei.

Onde deixei minhas ganas?
Tanto investi em cultura
que perdi o instinto natural.

Era só deixar a natureza agir...

Usei muito adubo químico,
sementes hibridas, herbicida.
Matei as pragas
e as esperanças também.

Não sou do bem, nem do mal.
Perdi o ponto do sal.

Eu só queria sentir agora
O puro gosto de amora
do pecado original.

Óleo sobre tela

Pouso meus olhos sobre telas de Van Gogh.
Deito-me ao lado do ceifador
e adormeço sobre feixes de trigo.
Cena familiar.
Cedo ao sonho.
Retrocedo à infância.
Vejo-me criança, pura
como a loucura do pintor.
Inerte, braços abertos,
no meio do trigal maduro,
fingindo-me espantalho.
Um gérmen ainda.
Nem sabia o que era poesia
e já sentia.
Os pássaros pensam
que meu cabelos brancos
são feixes de palha.
Espanto-os.
Da janela do sanatório
Van Gogh se espanta

e borra um corvo sobre o campo de trigo.
Acordo.
Kurosawa sonhou comigo.

Marilda Confortin



Estou participando dessas duas antologias. Estarei lá em SP para o lançamento. Vai ser bom encontrar essa turma de poetas amigos.


Dia insosso

Hoje o dia amanheceu de mansinho
sem alarde,
como um passarinho
que acorda tarde.
Não deu um piu,
não se anunciou,
não fez frio
nem esquentou.

E foi passando devagar
como um desconhecido
sem me cumprimentar.


Lá pelas dezessete
tomei um pingado
comi um chineque
que dia gozado...

A hora do Ângelus
passou sem trombetas
e no mesmo trilho
a noite veio,
preta, sem brilho.
Que dia mais feio.

O sono perdeu o trem das onze
quem sabe chegue de madrugada
já estou meio zonza
de tanto não fazer nada.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...