Paca, tatu, confia no pão - de Tonicato Miranda




Paca, tatu, confia no pão
Tonicato Miranda
De repente observo, pastor, padre
político, polícia, anote, marque:
todos começam com a letra “p”.
Não gosto de nenhum deles,
mas gosto de pintores, de pedreiros,
de todos pães, também de padeiros.
Não gosto de pepino, de pé de porco,
de paleta, de pica de porco ou de zebu,
mas gosto de picanha, como com gosto.
Pamonha? Gosto, mas não de palhaços,
de palhaçada, da paliçada da indiarada,
nem da palmitada no chão, arrasada.
Gosto de porco, peru – de caralho não.
Gosto de panqueca, de pastel, de pizza,
mas a dos políticos, passo – ela cisca;
se pudesse passava todos na bala,
pendurava-os em parede de pregos
ou passava no fogo de parabeluns.
Gosto de Portugal, das portuguesas,
das províncias, do Porto, de Portimão,
não gosto da tv deles e sua programação.
Gosto do Pluto, o cachorro do Pateta,
do Peninha, mas não gosto, entorno o balde
dos putinhos dos sobrinhos do Pato Donald.
Não gosto do Paraíso, mas gosto da Penha,
da Paulista e de putas regiões como a Mooca.
Paulicéa, preciso descobrir mais uma loca.
Gosto do sulfite, papel manteiga na rosca,
pergaminhos e de projetos, quem não gosta?
Mas não de papel higiênico com única folha.
Gosto de parque, de praia, a pele nua da boa
e da tua, mas não posa de potranca, embora
goste da tua anca e da popa, minha patroa.
Deriva pra lá, Pacífico adentro, partindo
daqui de Paranaguá, rumo ao mar do sul
para lá da Lagoa dos Patos, leva um patuá
sorte terá na travessia do “P” ao céu azul.
Curitiba, Jan/2011.
TM
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...