As éguas relincham por trás das fechaduras - Raiça Bomfim

As éguas permaneceram na cidade
quando as florestas desapareceram.

Continuam correndo como loucas
dentro dos apartamentos,
desejando derrubar todas as portas,
desejando devorar a geladeira inteira
ou os doces dos baleiros,
relembrando os tempos
dos pastos verdes
e sem donos e sem cercas.

Adquiriram, para a segurança de todos,
o hábito de se amarrarem ao pé da cama
ou em outro objeto rígido,
esperando que algum amestrador
chegue com uma fórmula mágica
de enganoso codinome amor
e as amanse.

Todos sabem, mas não comentam,
que um dia as éguas se esquecerão
de se amarrar no box dos banheiros
ou na pia dos lavabos,
e sairão desembestadas,
pisoteando com furiosas patas
o concreto da cidade,
destruindo a ordem dos endereços.

Loucas éguas correndo pelas ruas,
de suas crinas escapando um pó
que fará nascer uma lua incandescente...

E as éguas correndo e correndo
sob o clarão-fogueira do céu da noite,
devorarão o fígado, os rins,
o coração dos homens,
até matarem toda a sede,
até matarem toda a fome.

Autora: Raiça Bomfim - blog http://raibomfim.blogspot.com/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...