Pedra bruta

 
Não sei se o que escrevo é poesia. Sério. Sou muito vadia para as coisas sérias. Se tiver que trabalhar a escrita para ficar bonita, to fora. Agora, se brota eu colho. Semeio fins. Se joio ou trigo não ligo. Lavro. Aro. Arre! Comigo é no grito, no braço, no instinto. Se flui, sorvo. Se estorva, vomito. A mente capta. Às vezes com sente. Noutras só mente. A gramática me poda, mas não mata. Erro sem culpa. Desculpa se ofendo. Vendo os olhos e escrevo. Cega enxergo por dentro. Sentimento não tem acento nem regras. Nasci do pecado. Tem um lugar reservado pra mim, lá nos confortins dos diabos. 
Marilda confortin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...