Norma Culta

Acabei de assistir o show do Língua Madura (imperdível) e fiquei com essa música na cabeça.

"Pra que cortar seus impulsos e deixar os pulsos intactos

a norma culta é uma estupidez

que inflaciona o teu saber

tua dor

é analfabeta

de pai e de mãe"
(Thadeu Wojciechowski, Octavio Camargo e Bárbara Kirchner)


Bárbara entre Thadeu e Octavio

Sacaneando e.e. cummings & e_tonicato@


Tenho um problema pessoal com o cummings. Ele sempre me aparece na hora errada. Na primeira vez que cruzei com ele, eu era muito jovem e não estava preparada para lê-lo. Na segunda, eu estava apaixonada por um poeta que se apaixonou pelo cummings e roubou o interesse dele por mim. Na terceira eu não estava apaixonada por ninguém e essa maravilhosa poesia (abaixo) só me deixou mais triste. Ano passado, tropecei nele outra vez. É perseguição! Foi na Bienal de Salvador. Só por sacanagem resolvi presenteá-lo ao Tonicato, um amigo obcecado pela pontuação perfeita, pela frase  hermética e pela escrita impecável. Pensei que fosse odiá-lo. Qual o quê! Desembestou a eecummingsar. Chega! Vão tomá no cummings :)
Vou sacanear com os dois. 
Tonicato, reescrevi teu poema:

O poema do e.e cummings
(Tradução de Augusto de Campos)

eu gosto do meu corpo quando está com o seu
corpo. É uma coisa tão nova e viva.
Melhores músculos, nervos mais.
eu gosto do seu corpo e do que ele faz,
eu gosto dos seus comos.   de tatear as vért
ebras do seu corpo,a sua treme
-lisa-firmez e que eu quero
mais e mais e mais
beijar,   gosto de beijar issoeaquilo de você,
gosto de,lentamente golpeando o, choque
do seu velo elétrico,e o que-quer-que freme
sobre a carne bipartida...E olhos migalhas

de amor grandes e acho que gosto de ver sob mim

você vibrar tão viva e nova assim



O poema do Tonicato em homenagem ao cummings
(trecho do poema de Tonicato Miranda)

pensando no seu corpo
com o olhar pousado em suas coxas brancas
talvez coaxasse por elas
e eles assim, tão desgarrados joelhos
confesso-me diante de suas pernas, sonho
...delirei com o vão do seus seios
tão abrigados em castos vestidos
será eles sabem do meu peito, desta ânsia
de apertos e contatos de músculos?



Minha sacanagem com os dois

ando pens
     ando no seu corpo.com
o olhar pousa
do em suas
co X as

brancas tal
vez

coaxo
         por elas e eles
assim tão des
                garrados

de joelhos confesso:
        
ante de suas
pernas-sonho
... delirei

como vão
seus seios tÃO?

a
brigados em
castos

vestidos será sabem?

do meu
peito minha
         ânsia
a
pertos e con
tatos

de

mús
cu
luz
(marilda confortin)

Flagrante


(Da série: “histórias secretas de amigos e inimigos” – por Marilda Confortin, com a co-autoria e cumplicidade do personagem principal)

Flagrante 

Julia trabalhava comigo no sétimo andar de um edifício comercial no centro de Curitiba. Estávamos no horário de almoço. Ela fazia uma ikebana de rosas vermelhas e assistia o movimento da cidade pela janela.

De repente ouviu uma gritaria lá em baixo. Viu um homem correndo e uma mulher gritando desesperada: “Pega ladrão! Pega Ladrão!”

As pessoas pararam na calçada como se estivessem filmando uma cena congelada para um filme do Fellini.

Um carro invadiu a calçada e freou bem na frente do ladrãozinho. Julia nunca diferenciou marcas nem modelos de carros. Só diferenciava Fusca e Kombi. Disse-me que não era nenhum desses. Do tal veículo ela viu saltar um belo homem de uns trinta anos. Ou seria quarenta? Julia não diferenciava idades também, mas naquelas alturas do edifício e da idade ficou feliz por ainda diferenciar um homem de uma mulher.

Com destreza de quem faz isso todos os dias, o homem derrubou e imobilizou o meliante. Deu uns tapas no traseiro do cara, tirou o cinto (dele, meliante) amarrou as mãos (dele, meliante) e prendeu-o vergonhosamente numa lixeira da prefeitura.

Devolveu a bolsa da mulher, beijou sua mão e fez uma reverência típica dos toureiros para receber os aplausos dos transeuntes. ´

Tudo aconteceu muito rapidamente. Eu nem vi. Só vi quando Julia retirou uma rosa vermelha da ikebana, beijou-a, gritou “Olé!” e jogou-a para o herói anônimo.

Ele fez um sinal para que ela esperasse. Julia obedeceu. Ele subiu. E como subiu! E Julia subiu pelas paredes. Eu me tranquei no banheiro e fiquei espiando. Afe Maria!

Sou madrinha de casamento deles. Vocês devem conhecê-los. Eles costumam “curtir” as histórias publicadas aqui...


(marilda confortin)

"Melhor morrer de vodca que de tédio"


"Melhor morrer de vodca que de tédio"

Por Marilda e Douglas - os fabricantes

- Como se escreve três em italiano?
- Não tenho certeza. Escreve quatro. Pronto.

E assim nasceu a festa “Quatro giorni in Itália”.
Éramos poucos, mas muito loucos. Queríamos mudar o humor da cidade. Inventávamos festas, roteiros turísticos, shows, festivais, exposições, concursos, mil projetos. Poucos aprovados, mas isso não importava. Nosso negócio era polemizar, polinizar.

- Escreve uma frase aí pro cartaz do dia 13 de maio.
- Ta. A Lei Áurea foi um serviço de preto.
- É preconceituosa. Faz outra.
- Então ta: A Lei Áurea NÃO foi um serviço de preto.

E a Jaine fazia o cartaz e o Diabo espalhava na cidade inteira. O circo pegava fogo. Apanhávamos dos pretos e dos brancos, depois saíamos todos juntos sambando no mesmo bloco na Avenida Marechal. Liderados pelo Glauco, suas porta-bandeiras e a bateria de todas as escolas de samba. Ninguém entendia nada.

Pra comemorar as diferenças criativas fazíamos uma comidinha na casa da Elisa e Douglas.  Éramos sócios na fabricação de uma vodca chamada Majakovskj, famosa nos bailes do Operário. Cada garrafinha levava uma frase do escritor amarrada no gargalo.
Jaine e Fernando Alexandre foram cúmplices da criação do desenho, da marca, da divulgação, dos porres e culpados pelo fanatismo criado pela maledeta.

- Outra vodka, tá louco!
Poeta Vladimir, em nanquim preto, só nos observava pela na janela. Belíssima arte, Jaine Suniê. Quem não gostava da vodca comprava só a garrafa. Era o mesmo preço. E quem gostava trazia a garrafa pra encher de novo. Era o mesmo preço. Não dava lucro, mas era divertido. Todos os intelectuais da cidade eram nossos clientes. Rei Bola era o divulgador oficiais para Curitiba e Rio de Janeiro. Tina e Suzana davam o maior apoio e o Armando nos protegia. Ele parou de beber a outra vodca a 70 graus porque disse que derretia a gengiva. Não adiantou nada. A Majakovskj derretia corações.

Politicamente incorretos. Todos nós.

- Que tal criar espaços para fazer festival de rock, poesia, música erudita, aproveitar a vinda do Dalai Lama e do Papa pra inaugurar e acabar com esse carnaval medíocre de Curitiba?
- Taí! Boa! Daí, quem não curte carnaval vem pra cá.

E lá fomos procurar áreas públicas ociosas. Tinha um monte. O Cachorro-Louco (Leminski, prá quem não sabe) indicou um lugar porreta onde costumava fazer piquenique. Voltamos cheios de carrapicho nos cabelos, pico-pico nas roupas e fomos direto pro bar do Pudim beber uma vodca e escrever o projeto.

- Vocês estão brincando comigo? Primeiro aquela história de Albergues para a Juventude Transviada e agora isso?
- Mas é uma boa idéia...
- Boa idéia é a cachaça que vocês bebem! Sumam da minha frente, cambada de hereges!

Foda-se. Prefeito idiota. Perfeito idiota. (Enga)vetou o embrião da Pedreira Paulo Leminski e muitos outros. Só porque éramos loucos e jovens.

Falando em Paulo, ele era um dos clientes mais assíduos da Majakovskj.  Somos cúmplices ou culpados pela sua poesia e sua partida prematura?

Como bem disse o mal dito Douglas, os sobrenomes e a biografia completa daquele  time, só passando por cima de nossos cadáveres. Pra isso não falta muito...
Um brinde aos bons e velhos amigos!


(Da série: “histórias secretas de amigos e inimigos” – por Marilda Confortin, com a co-autoria e cumplicidade do personagem principal)


EX-CRAVO, ESCREVO


A musa quando me usa
Me ativa como cativo,
Um serviçal obtuso,

Um apaixonado de ofício.
Eu me doo todo por ela,
A bela que me escraviza.
Eu me doo todo à ela,
Tentando mostrar serviço.
Mas sei que sempre me esnoba

E me rouba a alma e o viço.

Me deixa pedindo esmolas,
Me imola num sacrifício...

ebook infantil

Um ebook para um poema infantil do Tonicato Miranda, colaborador assíduo do Isca Poética e do blog para crianças Conversarada e meu parceiros de poesia, contos e cartas literárias

Egoísmo e solidareidade

“O cérebro está formado por dois componentes essenciais, egoísmo e solidariedade. O egoísmo é necessário para o indivíduo sobreviver. A solidariedade, para a sobrevivência da espécie. Sempre há uma luta entre o egoísmo e a solidariedade. E sempre vai existir muito egoísmo, senão o cérebro deixaria de ser cérebro. O homem precisa controlar seus pensamentos para não deixar o egoísmo prevalecer.” - Henry Engler - ex-guerrilheiro uruguaio que revolucionou a pesquisa de Alzheimer

SCIFAIKU

time travel is forbbiden
but kids
do it anyway

Eva Eridsson

Tradução

viajar no tempo é proibido
mas crianças
fazem do mesmo jeito

Esse tipo de poema minimalista se chama Scifaiku. Existe nos EUA desde 1995 e foi criado por Tom Brinck.  
O SCIFAIKU adota a forma internacional e contemporânea do haicai, porém, a temática é a FICÇÃO CIENTÍFICA.
Site oficial do scifaiku: www.scifaiku.com
 

Doismil&sempre

por José Geraldo Neres - SP
 
caboclo caminha na mata de onde venho
senta-se na grama da infância
catavento de ervas
trovão cachoeira machado
o silêncio não acorda
um oceano separa meus braços

– pesca um pouco d’água

trago nos ossos raízes e nome
as pescarias de histórias de meu avô
abraçadas à velha casa de madeira
jacarés empalhados alimentam sonhos
nos meus olhos de barro


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...