Flagrante


(Da série: “histórias secretas de amigos e inimigos” – por Marilda Confortin, com a co-autoria e cumplicidade do personagem principal)

Flagrante 

Julia trabalhava comigo no sétimo andar de um edifício comercial no centro de Curitiba. Estávamos no horário de almoço. Ela fazia uma ikebana de rosas vermelhas e assistia o movimento da cidade pela janela.

De repente ouviu uma gritaria lá em baixo. Viu um homem correndo e uma mulher gritando desesperada: “Pega ladrão! Pega Ladrão!”

As pessoas pararam na calçada como se estivessem filmando uma cena congelada para um filme do Fellini.

Um carro invadiu a calçada e freou bem na frente do ladrãozinho. Julia nunca diferenciou marcas nem modelos de carros. Só diferenciava Fusca e Kombi. Disse-me que não era nenhum desses. Do tal veículo ela viu saltar um belo homem de uns trinta anos. Ou seria quarenta? Julia não diferenciava idades também, mas naquelas alturas do edifício e da idade ficou feliz por ainda diferenciar um homem de uma mulher.

Com destreza de quem faz isso todos os dias, o homem derrubou e imobilizou o meliante. Deu uns tapas no traseiro do cara, tirou o cinto (dele, meliante) amarrou as mãos (dele, meliante) e prendeu-o vergonhosamente numa lixeira da prefeitura.

Devolveu a bolsa da mulher, beijou sua mão e fez uma reverência típica dos toureiros para receber os aplausos dos transeuntes. ´

Tudo aconteceu muito rapidamente. Eu nem vi. Só vi quando Julia retirou uma rosa vermelha da ikebana, beijou-a, gritou “Olé!” e jogou-a para o herói anônimo.

Ele fez um sinal para que ela esperasse. Julia obedeceu. Ele subiu. E como subiu! E Julia subiu pelas paredes. Eu me tranquei no banheiro e fiquei espiando. Afe Maria!

Sou madrinha de casamento deles. Vocês devem conhecê-los. Eles costumam “curtir” as histórias publicadas aqui...


(marilda confortin)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...